É uma pergunta que muita gente acha que nem precisava ser feita, mas a resposta não é exatamente o que pensa o senso comum na sociedade brasileira. A Organização Mundial do Trabalho realizou pesquisa onde ficou comprovado que o clichê de que as mulheres gastam mais não passa de preconceito e machismo.

Os homens se mostraram muito mais vorazes nos consumo, quando se segmenta as compras de determinados produtos. As mulheres costumam gastar não apenas consigo mesmas, mas com a família. Filhos e marido são muitas vezes os grandes consumidores dos produtos adquiridos por elas, enquanto a grande maioria dos homens compra para si mesmos.

 

Quando compram produtos para si mesmas – geralmente aqueles ligados a moda e beleza – elas gastam menos até mesmo por um problema da sociedade que vem diminuindo, mas ainda não acabou: a diferença salarial entre os sexos. Homens costumam comprar itens de valor maior, como automóveis e produtos eletrônicos.

Os homens gostam de arriscar enquanto as mulheres são mais conservadoras, geralmente escolhem investimentos de pouco risco. Homens compram mais por impulso, mulheres demoram nas compras porque preferem ver diversos modelos, compará-los, experimentar as diversas opções de modelos e cores.

Homens dificilmente pedem opinião aos outros – a não ser quando a compra é um presente para outras pessoas, sobretudo esposas e namoradas – já as mulheres chegam a tirar fotos e mandar para o grupo das amigas ou filhas e irmãs para saber se todos gostam do produto.

Até mesmo quando se fala em doações e envolvimento com atividades de caridade, a motivação de ambos é diferenciada. Homens, segundo a pesquisa, procuram atrelar a ação com algum tipo de status social, enquanto as mulheres se sentem impelidas a doar muito mais por questões emocionais. Não é a toa que conciliar dois seres tão distintos é algo tão desejado que costuma ser comparado a “ganhar na loteria”!

Gostou do post? Compartilhe:
Facebook